Back to Top

The Nomad should apologize for its “Fuvela”– especially to Milwaukee

June 20, 2014

nomad.jpg

THE NOMAD SHOULD APOLOGIZE FOR ITS “FUVELA” – ESPECIALLY TO MILWAUKEE
by Cris Siqueira and Isabella Gargiulo

A bar in Milwaukee created a favela-themed patio for the World Cup and clueless privilege took the chance to show its ugly face in niceland Wisconsin

Last week a bar in Milwaukee, Wisconsin called Nomad World Pub revealed its patio decorated as a “favela” for the 2014 World Cup currently being held in Brazil. “Favela” is a term for low-income settlements in Brazilian cities. It is a name that is falling out of fashion, and most people in the motherland prefer to use the word “community”.

The Nomad’s “fuvela”, as it was misspelled at first, is particularly out of touch because the World Cup is being protested by many in Brazil for “the misery these mega-events have the capacity to cause” (1), as writer Dave Zirin so eloquently put it, and included in such misery is the displacement of entire communities – or “favelas” – for aesthetic reasons or to make way for World Cup-related construction.


So, yes, ouch. The choice is a pretty unequivocal marketing faux pas. Not only it is a caricatured and reductionist view of Brazil, it ventures deep into the realm of class insensitivity. It is the equivalent of opening The Ghetto Café or The Shantytown Inn.

The theme is so blatantly wrong that the story was picked up by a number of Internet websites and news outlets (2), including Buzzfeed, the Chicago Sun-Times, Al Jazeera and the Washington Post. The local independent media reacted accordingly, with the fine folks at the Disclaimer podcast shaking their heads emphatically (3) and various Milwaukee personalities speaking up on Facebook. Brazilians with Wisconsin ties alerted each other. Friends threw up in their own mouths in sympathy. The Nomad’s decoration was called tacky, tone deaf, ignorant, insensitive, tasteless and just plain stupid.
Two quick notes before we get to the backlash. The Nomad is not the first establishment in a privileged neighborhood to pull this number. There is a bar in São Paulo called “Favela da Vila” (4), and a European franchise with the particularly ridiculous name “Favela Chic” (5). The one in São Paulo can even be considered the most offensive of all. To be insensitive thousands of miles away is one thing, but to serve expensive drinks in a stylized “favela” just blocks from an actual community is just heartless.

At the same time, it is not our intention to crucify a small business when corporations like Budweiser have changed laws in Brazil to sell their products during the World Cup (6). The Nomad was kind of unlucky, really. It is hard to be this offensive when it comes to Brazil. They could have had naked people, hell, they could have had naked people drinking out of beer bongs shaped as naked people and no one would have noticed. (7)

With this being said, it is incredibly frustrating for us as Milwaukee residents that, even after all the negative reactions, the Nomad and its owner Mike Eitel have stuck by their “fuvela” and insist they’ve done nothing wrong. They have been, in fact, joined by a legion of defenders who are using the oh-so-safe Internet to throw reactionary privileged tantrums that reveal the political cluelessness of many in our city.

At first the attack was on those criticizing the Nomad: “I’m sorry. Is this a humanitarian issue for all of you?” – one person wrote on his Facebook wall (8). “Quit pretending to be an online martyr. I have my own issues with it as well, but they didn’t mean any disrespect or harm and if you think otherwise you’re a fucking moron. YEAH YOU. I’M CALLING YOU A FUCKING MORON.” This was later edited to say “you’re an over sensitive puss”.
We think it is pretty clear the Nomad didn’t mean any offense. It is a business, why on earth would they do something offensive on purpose? And no, people don’t have to be directly involved in any given situation or crisis to be touched by it – that’s what solidarity is about.

This guy also asks “what have you ever done for Brazil anyway?” Meaning volunteering work, donating money, aid, etc. Oh my. Please don’t do anything for Brazil. You may stay out of Brazil, America, thank you. Look over there, Benghazi!

Someone else wrote: “I can’t believe anyone could find this offensive. (…) It’s FABulous — just the sort of creative space-making that makes living in a city worthwhile.” To which another person responded “Good on the Nomad, they shouldn’t apologize and in fact, (they) should tell these ninnies to go F themselves”. The main argument in this thread was that the decoration is actually “art” and as such it cannot be critiqued. Excuse me? First, it is not art. It is marketing. It is a calculated element of a business plan. Second, why would art be above critique or criticism anyway?
And this went on and on. It is still going on and on.

While offering his own defense, owner Mike Eitel explained that 1) he meant no disrespect (check) 2) it is art (check) 3) he is actually educating people about ‘fuvelas’ (we’ll get to that in a moment) and 4) his Brazilian friends do not find the display offensive. (9)

Well, Mr. Eitel, your Brazilian friends are probably middle class or high middle class: most of us living in Milwaukee are. Please excuse our frankness but if they are Nomad patrons we’d be more likely to find them at “Favela da Vila” than an actual community. Brazilian readers can watch this video of the bar and smell the coxinha (10). The guy who says the Nomad is “honoring the hardworking people of the favelas of Brazil” just makes us sad, really. (11) Most importantly, some Brazilians may not find your décor offensive but many DO, like yours truly, and a number of others – just check the Internet. It is truly arrogant for you to ignore the opinion of those who don’t agree with you.

And the final rationale, the one that is the embodiment of Wisconsin’s “niceness” –very similar to the infamous Brazilian “cordiality”, by the way: Why can’t we see the positive side of this? At least people are talking about “fuvelas”!

This person wrote: “Instead of making this a negative – why can’t people use (it) as a positive maybe to gain awareness and support for these areas in Brazil. I for one did not know what a ‘favela’ was until today. Now I do (…) Yay for me. But nope – everyone wants to be negative (f-ing) Nancy.”
Mr. Eitel is also “glad” his “art” project has pushed so many buttons. A direct quote from his interview to OnMilwaukee.com: “Nobody up here gives a (expletive) or knows about it. Now they’re talking about it.” (12)

Whoa. There is absolutely nothing educational about the Nomad making its World Cup display a distortion of urban low-income life in Brazil. On the contrary, by hanging clotheslines and calling it a “favela” an otherwise harmless generic “themed” space becomes an alienating and disturbing instrument of disinformation.

All of this is obvious to the journalists and bloggers who made Milwaukee’s “fuvela” a national story, but not to Mr. Eitel, who continues to give interviews saying he is NOT sorry. No sir-ee! He is PROUD of this (expletive) mess.

I, Cris, had the chance to briefly confront one of The Nomad’s defenders in person. I told him “favela” is not such a cool term to start with and his response was “That may be true in Brazil!” What is one supposed to say to that? Americans’ imaginary view of our “poverty” apparently trumps reality.
He went on to blow my mind: “I’ve known Mike for years and he has always helped the people in these villages [sic]” Lo and behold: the Nomad is now accepting and matching donations for a charity sponsored by FIFA (13) – something else Brazilians may argue against, since even soccer fans (expletive) hate FIFA these days. Mr. Eitel’s friend left me yelling: “He should NOT apologize, he did nothing wrong!” already walking away.

But the Nomad SHOULD apologize. Not just to Brazil (who’s not even listening), but especially to Milwaukee. The Nomad should take the stupid clothesline down and paint over all references to the word “favela” (14). It can keep the bright colors and samba dancers and even the tacos from another land. But it must acknowledge its mistake and apologize for embarrassing our city and making us look like backwards and heartless gringos. ON THE INTERNET.

Mr. Eitel’s should rely on these sensitive pusses’ opinion that The Nomad’s refusal to address this mistake is terrible for our city in the long run, even if they are still making a buck now with the World Cup. We are not even talking about what is right anymore. Just trust these ninnies that not apologizing reinforces our reputation as segregation champions, and that is horrible for business, really. Please believe these Nancies that this only emphasizes

Milwaukee’s negative image as the racist, outdated hangover capital of these our United States.
Your mistake may have been an honest one, but your stubbornness is unforgivable, Mr. Eitel. Clean up this act and let Milwaukee evolve with the rest of civilized society, will you, now.

Folks on Facebook see this differently as well: “We used to be poor, obese, brat inhaling alcoholics who could barely read or write. Now were [sic] elitist yuppies that like designer tacos and make fun of the poor. Oh the national media. I personally thank the Nomad for improving our status nationally with nothing more than a couple t-shirts on a clothesline and a few gallons of paint”. This guy’s profile picture revealed a slightly overweight dude with a warm smile and mismatched suit. We love you, Milwaukee, but there is no such thing as designer tacos.

Footnotes:
(1) http://www.thenation.com/blog/180206/im-heading-rio-2014-world-cup#
(2) Some examples:
Gin and Tacos: http://www.ginandtacos.com/2014/06/11/lets-pretend-were-poor/
Buzzfeed: http://www.buzzfeed.com/conzpreti/theres-a-bar-that-built-a-favela-where-people-can-watch-the
Chicago Sun-Times: ‪http://voices.suntimes.com/sports/sports-prose/milwaukee-bar-sets-up-fake-brazilian-favela-for-world-cup-viewing/
Deadspin: ‪http://deadspin.com/milwaukee-bar-celebrates-world-cup-in-most-tone-deaf-wa-1589971863
Al Jazeera: ‪http://stream.aljazeera.com/story/201406121230-0023831
Alternet: http://www.alternet.org/culture/milwaukee-bar-constructs-fake-brazilian-slum-where-yuppies-can-enjoy-watching-world-cup
Death and taxes Mag: http://www.deathandtaxesmag.com/222762/milwaukee-bar-constructs-fake-brazillian-slum-for-yuppies-to-enjoy-the-world-cup-in/
Bleacher Report: http://bleacherreport.com/articles/2094393-american-pub-builds-a-favela-outside-to-watch-world-cup-2014-in-brazil
Paste Mag: http://www.pastemagazine.com/articles/2014/06/pub-creates-fake-brazilian-slum-for-world-cup.html
(3) http://milwaukeerecord.com/city-life/disclaimer-nomads-favela-controversy-click-bait-short-skirts-les-paul/
(4) http://www.faveladavila.com.br
(5) http://favelachic.com/
(6) We are NOT advocating naked people and/or naked people drinking out of beer bongs shaped as naked people as appropriate representations of Brazil, god f-ing forbid.
(7) For more about this and other uplifting World Cup and FIFA facts, watch this great analysis by John Oliver: https://www.youtube.com/watch?v=DlJEt2KU33I
(8) We have chosen not to divulge the names of the people who made the comments out of respect. Peace. We are, however, open for non-hateful conversation, of course.
(9) http://mobile.onmilwaukee.com/bars/articles/nomadfavelaworldcup
(10) Brazilian pastry that has come to symbolize privileged clueless conservative people. Pronounced coh-chee-gnah.
(11) http://fox6now.com/2014/06/12/nomad-world-pub-packed-during-world-cups-first-game-most-unfazed-by-favela-display/
(12) http://onmilwaukee.com/bars/articles/nomadfavelaworldcup.html
(13) Football for Hope: http://www.fifa.com/aboutfifa/socialresponsibility/footballforhope/mission.html
(14) Thank you Nomad for removing the word “favela” from the bar’s website. Much of the Nomad’s “poverty” discourse has been toned down since the beginning of the controversy, which is not as good as the complete removal of the theme (clothesline and the word “favela” on site) or an apology, but still sincerely appreciated.
Cris Siqueira is an independent filmmaker and historian. Isabella Gargiulo is a feminist activist and non-profit professional. They are both Brazilians living in Milwaukee.
The authors wish to thank historian Frederico Freitas (Stanford) and journalist Isadora Fernandes for their invaluable insight.

O BAR NOMAD PRECISA PEDIR DESCULPAS PELA SUA “FUVELA” – ESPECIALMENTE PARA MILWAUKEE


por Cris Siqueira e Isabella Gargiulo

Um bar em Milwaukee criou uma favela de mentirinha para a Copa do Mundo e o privilégio sem noção invadiu o estado de Wisconsin, conhecido por sua delicadeza
Na semana passada um bar na cidade americana de Milwaukee chamado Nomad World Pub revelou seu pátio decorado como uma favela para a Copa do Mundo 2014, que está acontecendo agora no Brasil. “Favela” é o nome dado a assentamentos de baixa renda nas cidades brasileiras. É um termo que está saindo de moda, e a maior parte das pessoas prefere usar a palavra “comunidade”.
A “fuvela” do Nomad (como eles escreveram no início) é particularmente surreal porque muitos estão protestando a Copa do Mundo no Brasil, em função da “desgraça que estes mega-eventos tem a capacidade de causar” (1), como descreveu o escritor Dave Zirin, incluindo nesta desgraça o deslocamento de comunidades – ou favelas – inteiras, por razões estéticas ou para abrir espaço para construções associadas à Copa.
Ou seja, péssimo. Sem dúvida uma tremenda gafe de marketing. Não apenas uma visão caricaturada e reducionista do Brasil, mas também profundamente insensível em termos de classe. Equivale a inaugurar o Café do Gueto ou o Hotel Cortiço.
O tema é tão claramente equivocado que a história foi parar em vários blogs e sites de notícias (2), entre eles Buzzfeed, the Chicago Sun-Times, Al Jazeera e o Washington Post. A mídia local independente reagiu adequadamente, com os caras do podcast The Disclaimer balançando a cabeça enfaticamente (3) e várias personalidades de Milwaukee criticando o bar no Facebook. Brasileiros com laços em Wisconsin trocaram links. Amigos vomitaram na própria boca em solidariedade. A decoração do Nomad foi chamada de deselegante, alienada, ignorante, insensível, de mau gosto e simplesmente idiota.
Duas observações rápidas antes de falarmos das reações. O Nomad não é o primeiro estabelecimento em um bairro privilegiado a fazer este papelão. Existe um bar em São Paulo chamado “Favela da Vila” (4), e uma empreitada européia com o particularmente ridículo nome “Favela Chic” (5). O bar de São Paulo pode até ser considerado o mais ofensivo de todos. Ser insensível há milhares de quilômetros de distância é uma coisa, mas servir drinks caros numa “favela” estilizada a alguns quarteirões de uma comunidade de verdade é muita frieza mesmo.
Ao mesmo tempo, não é nossa intenção crucificar um pequeno negócio quando corporações como a Budweiser mudaram leis no Brasil para vender os seus produtos durante a Copa do Mundo (6). O Nomad deu um pouco de azar, na verdade. É difícil ofender o Brasil neste nível. Eles podiam ter botado gente pelada, pô, podiam ter botado gente pelada bebendo em copo com formato de gente pelada que ninguém teria percebido. (7)
Tendo dito isto, é incrivelmente frustrante para nós como residentes de Milwaukee que, mesmo depois de todas as reações negativas, o Nomad e seu dono Mike Eitel continuem a defender a sua “fuvela” e insistir que não fizeram nada errado. Ao contrário, apareceu uma legião de defensores do Nomad, que tem usado a sempre segura Internet para dar chiliques reacionários privilegiados que revelam a falta de noção política de muitos na nossa cidade.
No início o ataque foi àqueles que criticaram o Nomad: “Sinto muito. Esta é uma questão humanitária para vocês todos?” – uma pessoa escreveu no seu mural do Facebook (8). “Parem de fingir que são mártires online. Tenho minhas próprias questões (com a “favela” do Nomad), mas a intenção deles não foi desrespeitar ou atacar ninguém, e se você acha que foi você é uma porra de um imbecil. É, VOCÊ. ESTOU TE CHAMANDO DE UMA PORRA DE UM IMBECIL.” Isto foi editado mais tarde, substituído por “você é um babaca sensível”.
Achamos que está bem claro que o Nomad não quis ofender. É um negócio, porque faria algo ofensivo de propósito? E não, uma pessoa não precisa estar envolvida diretamente com uma situação ou crise para se sensibilizar – é aí que entra a solidariedade.
Este cara também pergunta “o que você já fez pelo Brasil?”, referindo-se a trabalho voluntário, doações, ajuda, etc. Ah não. Por favor não façam nada pelo Brasil. Os Estados Unidos podem ficar fora do Brasil, muitíssimo obrigada. Olha ali, Benghazi!
Outra pessoa escreveu: “Não acredito que alguém consideraria isto ofensivo. (…) É uma ma-ra-vi-lha – bem o tipo de espaço criativo que faz valer a pena morar em uma cidade.” E outra respondeu “O Nomad fez bem, eles não devem pedir desculpas, e sim mandar esses reclamões tomar no c…”. O principal argumento nesta conversa foi que a decoração é “arte” e como tal não pode ser criticada. Opa? Para começar, não é arte. É marketing. É um elemento calculado de um plano de negócio. E em segundo lugar, por que arte estaria acima de críticas de qualquer forma?
E assim foi. Isto ainda está rolando.
Ao oferecer a sua própria defesa, o dono Mike Eitel explicou que 1) ele não quis desrespeitar ninguém (visto) 2) é arte (visto) 3) na verdade ele está educando as pessoas sobre ‘fuvelas’ (vamos falar sobre isto daqui a pouco) e 4) os amigos brasileiros dele não consideram a decoração ofensiva. (9)
Bom, Mike, os seus amigos brasileiros provavelmente pertencem à nossa classe média ou classe média alta: como a grande maioria dos nossos compatriotas que moram em Milwaukee. Perdão pela franqueza, mas se eles freqüentam o Nomad, seria mais provável encontrá-los na “Favela da Vila” do que em uma comunidade de verdade. Os leitores brasileiros podem assistir este vídeo e sentir o cheiro de coxinha. O cara que diz que o Nomad está “homenageando os trabalhadores das favelas do Brasil” nos enche de tristeza. (10) E o mais importante: alguns brasileiros podem não considerar a sua decoração ofensiva, mas muitos consideram SIM, como nós mesmas e vários outros – é só olhar na Internet. É realmente arrogante ignorar a opinião daqueles que não concordam com você.
E o último argumento, aquele que é a encarnação máxima da “delicadeza” típica de Wisconsin – muito semelhante à malfadada “cordialidade” do brasileiro, por sinal: por que não enxergamos o lado positivo disto? Pelo menos as pessoas estão falando sobre as “fuvelas”!
Esta pessoa escreveu: “Ao invés de fazer disto algo negativo – por que as pessoas não podem usar (a situação) como algo positivo para aumentar o conhecimento e apoio a estas áreas no Brasil. Eu por exemplo não sabia o que era uma ‘favela’ até hoje. Agora eu sei (…) Parabéns para mim. Mas não – todos tem que ser uns putas duns chorões.”
O Mike também está “contente” que o seu projeto “artístico” tenha provocado tanta gente. Uma citação direta de sua entrevista ao site OnMilwaukee.com: “As pessoas aqui estão pouco se (palavrão) ou não sabem sobre (as favelas). Agora estão falando sobre elas.” (11)
Opa. Não há absolutamente nada educacional em transformar o espaço Copa do Mundo do Nomad em uma distorção da vida das populações urbanas de baixa renda no Brasil. Ao contrário, ao pendurar varais e batizar a empreitada de “favela”, uma área temática inofensiva torna-se um instrumento alienante e perturbador de desinformação.
Tudo isto é óbvio para os jornalistas e blogueiros que transformaram a “fuvela” de Milwaukee em notícia nacional, mas não para o Mike, que continua dando entrevistas dizendo que NÃO sente muito. Não senhor! Ele tem é ORGULHO desta (palavrão) desta confusão.
Eu, Cris, tive oportunidade de confrontar pessoalmente um dos defensores do Nomad. Falei para ele que o termo “favela” não é mais tão bacana de se usar e a resposta foi “Só se for no Brasil!” Como reagir a uma coisa dessas? A visão imaginária que os americanos tem da nossa “pobreza” é aparentemente mais importante que a realidade.
Ele continuou: “Eu conheço o Mike há anos e ele sempre ajudou as populações destes vilarejos [sic]” E eis que o Nomad passou realmente a aceitar e equiparar doações para uma instituição de caridade patrocinada pela FIFA (12) – algo que os brasileiros também poderiam criticar, já que até os fãs de futebol odeiam a (palavrão) da FIFA atualmente. O amigo do Mike foi embora gritando: “Ele NÃO precisa pedir desculpas, ele não fez nada errado!”
Mas o Nomad PRECISA pedir desculpas. Não apenas para o Brasil (que nem está escutando), mas especialmente para Milwaukee. O Nomad precisa recolher os varais e pintar todas as referências à palavra “favela” (13). Pode manter as cores vibrantes, os sambistas e até os tacos de outra terra. Mas precisa reconhecer o seu erro e pedir desculpas por envergonhar a nossa cidade e nos deixar com cara de gringos atrasados e sem coração. NA INTERNET.
O Mike devia confiar nas babacas sensíveis aqui que a recusa do Nomad em assumir este erro é péssima para a nossa cidade a longo prazo, mesmo que eles estejam ganhando uma grana agora com a Copa do Mundo. Não estamos nem falando no que é certo. Pode confiar nessas reclamonas que não pedir desculpas reforça a nossa reputação de defensores da segregação racial, e que isto é horrível para os negócios. Por favor acredite nessas choronas que isto só enfatiza a imagem negativa de Milwaukee como a antiquada e racista capital da ressaca destes nossos Estados Unidos.
O seu erro pode ter sido acidental, mas a sua teimosia é imperdoável, Mike. Conserte esta bagunça e deixe Milwaukee evoluir com o resto da sociedade civilizada, faz favor.
O pessoal do Facebook também discorda disto: “Nós éramos pobres, obesos, alcoólatras, (comedores) de salsicha que mal sabiam ler e escrever. Agora somos yuppies elitistas que gostam de tacos de grife e gozamos da cara dos pobres. Ah, a mídia nacional. Eu pessoalmente agradeço o Nomad por melhorar o nosso status com apenas umas camisetas num varal e alguns galões de tinta”. A foto de perfil deste cara mostra um sujeito ligeiramente gordinho com um sorriso acolhedor e um terno descoordenado. A gente te ama, Milwaukee, mas não existe taco de grife.
Notas:
(1) http://www.thenation.com/blog/180206/im-heading-rio-2014-world-cup#
(2) Alguns exemplos:
Gin and Tacos: http://www.ginandtacos.com/2014/06/11/lets-pretend-were-poor/
Buzzfeed: http://www.buzzfeed.com/conzpreti/theres-a-bar-that-built-a-favela-where-people-can-watch-the
Chicago Sun-Times: ‪http://voices.suntimes.com/sports/sports-prose/milwaukee-bar-sets-up-fake-brazilian-favela-for-world-cup-viewing/
Deadspin: ‪http://deadspin.com/milwaukee-bar-celebrates-world-cup-in-most-tone-deaf-wa-1589971863
Al Jazeera: ‪http://stream.aljazeera.com/story/201406121230-0023831
Alternet: http://www.alternet.org/culture/milwaukee-bar-constructs-fake-brazilian-slum-where-yuppies-can-enjoy-watching-world-cup
Revista Death and taxes: http://www.deathandtaxesmag.com/222762/milwaukee-bar-constructs-fake-brazillian-slum-for-yuppies-to-enjoy-the-world-cup-in/
Bleacher Report: http://bleacherreport.com/articles/2094393-american-pub-builds-a-favela-outside-to-watch-world-cup-2014-in-brazil
Revista Paste: http://www.pastemagazine.com/articles/2014/06/pub-creates-fake-brazilian-slum-for-world-cup.html
(3) http://milwaukeerecord.com/city-life/disclaimer-nomads-favela-controversy-click-bait-short-skirts-les-paul/
(4) http://www.faveladavila.com.br
(5) http://favelachic.com/
(6) Nós NÃO estamos sugerindo que gente pelada e/ou gente pelada bebendo em copo com formato de gente pelada sejam representações adequadas do Brasil, pelo amor de Deus.
(7) Para mais detalhes e outros fatos edificantes sobre a FIFA, assista esta ótima análise do comediante John Oliver: https://www.youtube.com/watch?v=DlJEt2KU33I
(8) Escolhemos não divulgar os nomes das pessoas que fizeram os comentários por uma questão de respeito, mas estamos abertas para conversas civilizadas, naturalmente.
(9) http://mobile.onmilwaukee.com/bars/articles/nomadfavelaworldcup
(10) http://fox6now.com/2014/06/12/nomad-world-pub-packed-during-world-cups-first-game-most-unfazed-by-favela-display/
(11) http://onmilwaukee.com/bars/articles/nomadfavelaworldcup.html
(12) Football for Hope: http://www.fifa.com/aboutfifa/socialresponsibility/footballforhope/mission.html
(13) Agradecemos ao Nomad por ter removido a palavra “favela” do site do bar. Muito do discurso de “pobreza” do Nomad foi atenuado desde o início da controvérsia, o que não é o mesmo que a remoção total do “tema” (varais e palavra “favela” no local) ou um pedido de desculpas, mas ainda assim gestos que são sinceramente apreciados.
Cris Siqueira é cineasta independente e historiadora. Isabella Gargiulo é ativista feminista e atua em uma organização não lucrativa. As duas são brasileiras e moram em Milwaukee.
As autoras gostariam de agradecem o historiador Frederico Freitas (Stanford) e a jornalista Isadora Fernandes por suas valiosas opiniões.